domingo, 8 de abril de 2007

Carlos Cruz


Carlos Cruz reapareceu num evento público ao fim de 4 anos de ausência forçada, pelos motivos que todos conhecem. No dia 01 de Abril de 2007, chegou à Gala dos Globos de Ouro, transmitida pela SIC, de mão dada com a mulher Raquel Cruz, envergando um smoking impecável.

Foi cumprimentado por todos, desde Nuno Santos, director de programas da RTP, que na Gala dos 50 anos da RTP o recordou como um dos grandes da televisão, a Herman José.

Carlos Cruz era umas daquelas pessoas, que nós apenas conhecemos da televisão, por quem eu punha as mãos no fogo. Quando há 4 anos saíram as noticias que o envolviam no Processo da Casa Pia, eu fiquei incrédula, fui a 1ª defendê-lo e a pensar que se eu já não podia acreditar sequer no Carlos Cruz, em quem é que eu ia acreditar?

Passados alguns dias comecei a pensar que se havia tantos indícios, talvez ele não fosse inocente, mas continuava a querer acreditar na sua inocência. Pela minha formação e querendo acreditar na justiça portuguesa fui começando a achar que ele talvez fosse culpado, mas continuava a querer acreditar que era inocente. Com o passar dos anos fui criando a convicção de que ele era culpado.

Hoje acredito que ele é inocente até que seja considerado culpado pelos Juízes do Tribunal onde está a ser julgado, mas o sentimento que tenho é o de pena, quer seja declarado inocente, quer seja declarado culpado.

Se for declarado inocente, foram anos que se perderam, de desgaste pessoal (físico e emocional), desgaste familiar, inactividade profissional, amigos que se perderam, alegrias que deixaram de se viver.

Se for declarado culpado, o desgaste dos que o rodearam sempre e nele acreditaram será irreparável e avassalador e eu vou ter que admitir que o Carlos Cruz é um criminoso.